terça-feira, 11 de novembro de 2008

no mato


o ser humano tem a mesma natureza
vê tanta beleza
e abre o coração
a regra diz pra comer na mesa
mas gostoso com certeza
é comer na mão
(chico césar)
.
eu tenho aprendido muito. pensei assim ollhando as estrelas lá no mato. este tipo de pensamento vem fácil olhando as estrelas. sentindo o barulho do rio lá embaixo. ou dentro do rio rindo que nem criança que não teve infância e de repente se lembra de uma fresta daquele tempo. havia uma menina triste em mim. e outra sorridente. e outra amorosa. quero crer. quero crer em muito. uma lágrima caiu. mas eu a coloquei para dentro. nunca faço isso de colocar lágrima para dentro. mas fiz porque achei que estava chorando por engano. eu queria mesmo era sorrir. e crer naquele momento. ali no rio. ali na beira do rio. ali dentro do rio. ali na barraca que comprei por outra razão. mas que de repente comecei a achar que ela foi comprada para aquele instante. se o instante só existe quando existe emoção. que ela se armou por milagre. e que é um milagre a vida de todo dia. esta tecitura. este amarrar de nós. bem fortes para não desamarrar. talvez isto seja de fato desaprender. isso de sentir o barulho dos sapos e se sentir como se fosse um. uma sapa. um sapo. dois sapos. um coaxar que não assusta. ou assusta só um pouco. dois tatus. isso de sentir a areia. não areia fina. cascalho que arranha as costas. e fazer figa para que arranhe bem muito. para que deixe marcas. e que sejam todas bonitas. como o dinossauro que vi nas nuvens. como o pingo grosso que nos molhou. como a barrigada que dei porque nada sei de mergulho. suculenta e saborosa como a carne que comemos como bárbaros. longe dos pratos. com os dedos afundados na gordura. isso de desaprender tem sua beleza. pensei errado então. assim como chorei errado. eu agora desaprendo.
Categories:

2 Palavrinhas:

Tata disse...

eu às vezes acho que a gente vem na vida é pra isso mesmo: desaprender, virar do avesso, tudo ao contrário. tem muito mais poesia assim.

Eliz disse...

E no mato somos nós mesmos, sem nada de ser o que querem ou mandam.