segunda-feira, 17 de novembro de 2008

zeca baleiro... e o que digo quando o escuto

um músico que nunca deixa de tocar na vitrola daqui de casa é o zeca baleiro. agora que voltei a morar sozinha, ele deve atrapalhar um bocado os ouvidos dos vizinhos. pois zeca baleiro pede música alta, pede balanço no corpo, pede sorriso maroto. e pede dançar agarradinho rindo das dores de amor. pede para se danar. desde o primeiro cd zeca transa esta coisa que chamam de “brega” com muita irreverência e humor. ele colhe o bom sentido deste brega e faz uma zoeira danada com suas "trombetas distorcidas e harpas envenenadas". para mim, por onde andará stephen fry e vô imbolá trazem uma macumbapopeletrônica difícil de ser igualada a qualquer outro cd seu, mas eu gosto disto. ele não seguiu um caminho já dado. virou outra coisa sem perder a invenção. sempre com muito estilo, muita inovação. foi assim em líricas. cd pra lá de conceitual. tem uma música lá que é toda minha história com alguém muito lindo. e totalmente alheio. muitas vezes eu deixei em suspenso a pergunta de qual era "a parte da sua estrada no meu caminho". o tempo se encarregou de dizer qual era, mas o "quase nada" - que foi muito - ficou para sempre. assim como ficaram os versos de "brigitte bardot"::: "a saudade/ é um trem de metrô subterrâneo escuro/ escuro claro/ é um trem de metrô/ a saudade é prego parafuso/ quanto mais aperta/ tanto mais dificil arrancar". foi muito depois que eu entendi o que era isto. foi no último metrô. então minha história se confunde nas músicas de zeca. agora ouço este "lado z". e é muito, muito divertido. tem a ver com meu atual momento: de muita alegria. e é o lado z mesmo: tem odair josé, tem moreira da silva, tem martinho da vila. tem tom zé. tem joão do vale. tem sérgio sampaio. tem a voz rasgada do zeca. levei para os meus alunos ouvirem. e saiu cada comentário. dá vontade de beijar na boca. dá vontade de se matar. de dançar agarradinho. cruzes de amar assim. e muita risada. porque dar risada é imprescindível. é o elixir. a tosse vai embora. a garganta arranha. responsa mostrar este avesso aos alunos.

e isso porque nem falei de ode descontínua e remota para flauta e oboé, cd onde ele musicou poemas de hilda hist e entregou às vozes de grandes musas da música. eu me embrulhei toda nesta entrega de ariana a dionísio. eu quero amar assim. eu quero que alguém venha aqui e me faça calar. e me deixe falar. e não me peça licença. ou não venha para que tudo vire poesia. ou que venha e ponha esta música para mim. e transforme a casa em cinema. e me olhe com desdém, com humor e com paixão. e não se intimide com meu espírito de colecionadora e me mostre que tem muito ainda que não vi nem tenho nem sei. eu não vou rastejar por esta pessoa. porque não sei rastejar. vou ser altiva como ariana. mas vou me entregar como ariana. só peço para não ter medo de mim. eu não meto medo. eu sou uma senhora com alma de menina. eu só quero alguém que me faça rir. que me deixe ir. que vá comigo. que me leve a esquecer a insônia. e me faça perder o sono. é tudo que posso ser. ser para o outro. sem promessas. sem salvo-conduto. pára-quedas que não abre. ou abre no último segundo. juro, como ariana, que sou inteira. que me divido, mas inteira me entrego. eu não me basto. nem o outro me basta. mas dois se bastam. dois sentem melhor o sol que está para nascer. fico com vontade de dizer estes desvarios ouvindo estas odes. fico aqui, então. na vitrola.

pois zeca. é melhor ouvir. na sua música, "deus brinca de gangorra no playground".
Categories:

7 Palavrinhas:

loba disse...

Sempre fui fã de zeca baleiro, mas juro: nunca li algo tão bonito sobre ele. Especialmente a última frase! Linda!!!
Outra coisa: eu sempre associei a musica dele aos meus momentos de relaxamento...rs... mas não conheço este cd. E vou ouvi-lo alto, pra ver se a sensação é a mesma! rs
Beijo, menina!

Anônimo disse...

dizem por aí: "o amor é uma música que eu gostei......"

Salve Zeca!
até

Anônimo disse...

amor é tudo que se pede da vida?

Cris Madame disse...

Madame vai procurar no seu site predileto de músicas, o SONORA, esse Zeca Balero...em sua homenagem !!!! e porque assim conheço mais um pouquito de vc ! Um abraço !! Brigadu pelo coments lá no blog, mas vc é quem escreve bem !!! Eu escrevo mal !!!!!!!!!!!

QuincasB disse...

sessão das 4 de aurora, topa?

Halem Souza disse...

Milena, Zeca Baleiro também está entre os meus preferidos. Do Líricas, citado por você, a que eu mais aprecio é Babylon, da qual, aliás, falei lá no "Ração", meses atrás. Acho também que Vô Imbolá um disco marcante.

E não se preocupe: música boa nunca atrapalha a vida dos vizinhos; pelo contrário, torna-a menos idiota.

Um abraço.

Rubiane disse...

Mi,
Se você pudesse imaginar como eu adoro Zeca Baleiro...
Adoro a maneira como ele transforma palavras em imagens. Como eu invejo quem faz isso.
Fico encantada em saber que você presenteia seus alunos com as canções dele.
Esta semana utilizei Fernando Pessoa para explicar Mutação Constitucional. Fiquei feliz de poder colocar um pouco de poesia na searas do Direito.
Beijos
Rubiane