segunda-feira, 27 de outubro de 2008

velinhas para mim

era para ter sido duas caipirinhas a menos. ou duas cervejas. ou ter biritado menos no copo de álcool da tati. mas foram duas caipinhas a mais, duas cervejas a mais. e o copo desta menina linda estava tão bom que a noite foi ficando cada vez mais bela mais exagerada mais louca mais mais mais. eu digo que desejar é perigoso. sim - digo isto ao fazer 34 anos. desejar e cuidar do desejo. desejar é perigoso porque o desejo sempre carrega em si a chance do vir-a-ser. e digo isto porque eu desejei um aniversário e ele foi tal e qual. até o studio sp pareceu estar ali como do nada. havia tantas opções. e o studio era dos planos de antes. e de repente ficou sendo o da hora. e foi tal e qual. e ainda mais. mari me diz que o exagero é o meu próprio e que nada nem ninguém deve tirar isto de mim. só eu mesma quando achar que devo parar de querer "tudo aos tubos". crio uma imagem do "tudo aos tubos" e sorrio sorriso grande. e me assusto com a idéia dos 34. muita idade. mas me acalmo se penso no percurso. modéstia às favas, eu acho que posso dizer que vivo bem. e vivo bem na medida em que tudo faço para viver bem. para viver como acredito. viver como quero. tenho parafusos soltos na engrenagem. mas eu os deixo soltos ou porque não sei onde montá-los ou porque muitas vezes não quero mesmo montá-los. a engrenagem solta busca melhor. a desmontagem das crenças, a reinvenção de outras, talvez seja o que eu queira de melhor para mim. sei que é difícil entender, mas ter passado a noite no studio sp ouvindo, dançando música boa, meio inconsciente ou totalmente inconsciente, talvez explique bem o que eu quero dizer sem dizer. eu dizia ainda há pouco que havia me cansado da noite, que não tinha mais "idade", mas em uma das noites insones eu me vi com saudade da noite. destas noites em que se dança, em que se sua, em que se levanta o chapéu para olhar melhor alguém que no outro dia não lembraremos nem do rosto. eu me vi com saudade e senti que era bom não cristalizar nada, não acreditar que já sabia exatamente do que gostava e do que não gostava mais. então desejei dançar a noite toda no meu aniversário. então eu comecei a dançar a meia noite do dia 26 e parei apenas às 6h da manhã. e depois saímos andando pela cidade. tal e qual. mari me contou como foi. porque eu não lembro de quase nada. devia ter sido duas caipirinhas a menos. ou duas cervejas. mas todo o resto deveria ter sido tal e qual.
.
.
.
gracias às moças lindas que me acompanharam e cuidaram de mim. devo ter dado trabalho. mas também muita risada, assim:::: amém e bis!
Categories:

4 Palavrinhas:

Anônimo disse...

Dona Mi, a moça dos 34. Ah, a moça do livro, a moça que escreve bonito, a moça que faz e acontece, seja na segunda, na terça, a moça das palavras, a moça que vive inventando e arterando...a moça que vê e que não vê, que pensa os parafusos, os soltos, os milles. Dona Mi, penso agorinha que sua invenção mais forte é a da alegria de criar, seja mundo, seja tudo, seja nada, em qualquer lugar. Beijo enorme e que outros aniversários venham na composição da sua música tão intensa de vida.Adoramos você! Dê

Olga disse...

PARABÉNS, Milena!!!!
Também sou de outubro, mas do início do mês.
E muitos anos mais velha, claro. Aliás, tenho quase idade para ter uma filha de 34 anos. Tenho 48, então...

loba disse...

Parabéns!!! Que delícia um aniversário assim!
E que linda esta frase: "desejar é perigoso porque o desejo sempre carrega em si a chance do vir-a-ser" . Desejar é perigoso sim. Mas como o perigo esquenta nossa veia, né? rs...
Beijo querida. Felicidades pra vc. Sempre.

Caco disse...

Feliz aniversário atrasado e beijodaí.